Perguntas e respostas

  • Ouço falar que as cores podem influenciar minhas emoções. Há algum fundamento nisso?

    Especialistas têm consistentemente mostrado que as cores influenciam o sistema nervoso autônomo, causando modificações na aceleração cardíaca, respiração, ativação cortical, nível de tensão muscular, entre outras funções. Independente de como a cor é usada, ela afeta a vida da pessoa de diversas maneiras: pode transmitir uma sensação de calor num ambiente frio ou vice-versa. Seu uso pode também alterar suas emoções. Por exemplo, ao contrário do vermelho, o azul produz calma. Ele é usado para diminuir a agressividade das pessoas, na redução de hipertensão, no tratamento de dor de cabeça tensional e para regular o desenvolvimento de tecidos orgânicos. Alguns pesquisadores acreditam que tenha efeitos sedativos. O vermelho é a mais densa das cores. Ele é associado à agressão e à impotência, aumentando a tensão nervosa. O rosa é usado em alguns sanatórios americanos porque deixa a pessoa mais dócil. Cada cor tem suas qualidades funcionais. A escolha adequada e harmoniosa das cores no seu ambiente e nas suas roupas influencia enormemente o seu nível de energia.


  • Ouço falar que cuidar de plantas pode diminuir meu nível de tensão. Algum fundamento nessa afirmação?

    Cientificamente não se sabe o tempo ideal para uma pessoa passar em contato com a natureza. Sabe-se, no entanto, que o cuidado com as plantas pode proporcionar equilíbrio emocional e canalizar os efeitos negativos do stress do cotidiano. Você tem que tolerar a poluição, o barulho e muitas vezes teme por sua segurança pessoal. Vivendo em um centro urbano, involuntariamente se aliena da natureza. No entanto, a necessidade de convívio com plantas naturais aumenta de acordo com a altura do andar onde você mora. O cuidado com as plantas se constitui em uma terapia informal para aliviar stress e ansiedade. Se você tem plantas no seu ambiente sempre tem algo a fazer, pode aguá-las, limpar as folhas ou adubá-las. O contato com as plantas não vai resolver o seu problema, mas poderá ajudar a racionalizar melhor a situação. Se você vive sozinho, as plantas podem ser uma boa razão para você voltar para casa. Esse tipo de terapia não requer prescrição, nem tem contra-indicação.


  • Ouvi dizer que uma pessoa forçando uma expressão facial pode induzir o sentimento dessa emoção. Isso é verdade?

    A teoria da indução de emoções através de expressões faciais não é nova nos Estados Unidos. Anteriormente, estudos sugeriam que a comunicação não verbal refletia o estado emocional da pessoa. Mais recentemente, as pesquisas indicam que essa é uma relação recíproca – a comunicação não verbal pode também afetar o estado interno. Isso não quer dizer que rir sempre será o melhor remédio para quem está deprimido, mas forçar uma expressão de alegria certamente poderá ajudar a aliviar a tristeza. Fisiologicamente, a explicação desse fenômeno é simples. A artéria carótida interna é responsável pela nutrição sangüínea do cérebro. O movimento dos músculos faciais contraindo ou relaxando alteram o fluxo de sangue. Isso causa também uma alteração na temperatura do hipotálamo, onde se regulam as emoções e também as reações do corpo ao calor e ao frio. Por exemplo, o sorriso tende a diminuir a circulação no rosto, causando uma redução na temperatura do sangue que vai para o cérebro. A idéia é que a temperatura em certas áreas do corpo afeta a atividade de alguns neurônios e neurotransmissores que têm a função de mensageiros cerebrais.


  • Passo muito tempo lavando e ensaboando as mãos, embora saiba que não estão sujas. Minha pele está ressecada mas não consigo parar. O que posso fazer?

    Algumas pessoas iniciam alguns comportamentos obsessivos e ritualistas quando crianças. Naturalmente, elas sabem que suas ações são irracionais, mas não conseguem parar. Sofrem de obsessão compulsiva. A doença, que não é uma forma de neurose, às vezes deve ser tratada com medicamento junto com psicoterapia. Outros tipos de compulsão implicam a verificação das luzes, as portas, e cadeados 10, 20 vezes ou repetição de ações peculiares incessantemente. Na maioria das vezes a pessoa tende a lavar-se constantemente. A psiquiatra americana Judith Rapoport diz que essas pessoas não são emocionalmente desequilibradas e podem beneficiar-se com psicoterapia. As pessoas mantêm segredo sobre a doença porque ficam com medo de serem classificadas como loucas. Algumas delas realmente pensam que estão loucas.


  • Perto do período menstrual tenho enxaquecas muito fortes. Elas têm origem hormonal ou pode haver um componente emocional que causa a dor?

    Cerca de 60% das mulheres que sofrem de enxaqueca acreditam que ela está associada ao ciclo menstrual. A enxaqueca ocorre quando os vasos sangüíneos do cérebro se expandem excessivamente, causando estímulos nos receptores da dor. As mudanças hormonais da menstruação contribuem para o processo, assim como a maneira como a pessoa reage às situações de stress. Para minimizar a incidência da enxaqueca, você precisa primeiro se conscientizar da freqüência, duração e agentes causadores da dor. Também procure identificar o que você sabe fazer para aliviar a dor. O médico Herman Weinreb, da Faculdade de Medicina de Nova York, sugere que você diminua o seu nível de stress, pois ele contribui para todos os tipos de dor de cabeça. Para gerenciar o stress você pode utilizar a respiração abdominal, relaxamento muscular e meditação, juntamente com a prática regular de exercícios físicos e cuidados com a alimentação (evite excesso de álcool, sódio, gordura, colesterol, açúcar e farinha refinada). Também evite substâncias que podem causar enxaquecas, como nitratos e conservantes, vinho tinto, perfume e fumaça de cigarro. Discuta com seu médico alternativas para algumas drogas, como a pílula anticoncepcional, que podem causar enxaqueca.


Faça uma busca por palavras-chave

Copyright © ISMA-BR 2001
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial.
ISMA-BR - International Stress Management Association no Brasil
CNPJ: 03.915.909/0001-68
Rua Padre Chagas, 185 conj. 1104
Moinhos de Vento
90570-080 Porto Alegre, RS
+55 51 3222-2441
stress@ismabrasil.com.br