Perguntas e respostas

  • Ultimamente parece que vivo em uma panela de pressão, tudo me irrita. Como posso controlar minhas emoções?

    A hostilidade é um problema emocional, que produz disfunções no corpo e interfere na sensação dos órgãos, provocando doenças em nível físico e mental. A hostilidade causa uma constante operatividade do sistema nervoso e cardiovascular. Ela tende a surgir quando as expectativas da pessoa são menosprezadas. Isto pode ocorrer devido a razões materiais, como a impossibilidade de obter um objeto ou posição social, como pelo desejo de respeito, admiração e afeição das pessoas. Este processo pode ser consciente ou inconsciente.

    A hostilidade é expressa corporalmente - os olhos ficam vermelhos, os músculos, principalmente os maxilares, enrijecem, as bochechas tremem, os lábios são comprimidos, as mãos se crispam tensamente enquanto a pessoa começa a respirar rapidamente e a transpirar. Neste cenário, a pessoa se prepara para se defender e atacar. Em geral, a hostilidade aparece porque a pessoa procura satisfazer suas expectativas buscando soluções no mundo exterior. Depender de fatores externos, sobre os quais não se tem controle direto, para ter uma vida saudável inegavelmente produzirá emoções negativas.


  • Uma amiga faz yoga e me disse que os exercícios alongam os músculos e ajudam a relaxar. É verdade?


    O yoga utiliza a atividade física combinada com a respiração abdominal. Esse processo induz ao relaxamento mental, ajudando a clarear a mente ao mesmo tempo que tonifica e alonga os músculos e melhora a postura e a concentração. Yoga se concentra na respiração profunda, que é uma tecnica básica de relaxamento, e na conscientização corporal, que é outro método de relaxamento.


  • Uma pessoa passiva corre mais riscos de saúde do que uma agressiva?

    Estudos americanos indicam que as pessoas que engavetam suas emoções e continuam convivendo com a fonte de seu stress têm mais probabilidade de morrer prematuramente do que as pessoas explosivas. O comportamento agressivo se caracteriza pela hostilidade e imposição. Em geral, ele mascara sentimentos de insegurança. O comportamento passivo é radicalmente diferente. A pessoa se comporta como se fosse um capacho. Ela não verbaliza suas opiniões, internalizando suas ansiedades e angústias. Às vezes até perde sua identidade pessoal para sentir-se aceita e amada. Geralmente, julga as prioridades dos outros mais importantes do que as suas e com freqüência suas automensagens são negativas. Esse é o tipo de comportamento que a coloca em grande risco. Aceite o que não pode mudar e modifique o que tem controle para lidar com as frustrações do dia-a-dia.


  • Vendo TV, lendo jornais e andando nas ruas só se sabe de problemas e violência. Sinto-me deprimida e sem rumo. Como manter a esperança?

    Os formadores de opinião tradicionalmente focalizam nas notícias de calamidade porque dizem que notícia boa não vende. Na realidade, as pessoas se sentem mais atraídas ao mórbido do que ao saudável. No entanto, manter a esperança é um imperativo moral. E enquanto sentir esperança, haverá esperança. Não se pode sentimentalmente assumir que a paz e a justiça surgirão de forma milagrosa na nossa sociedade. O sentimento de paz requer fé e trabalho. Como Mahatma Gandhi afirmou: “Paz entre os povos se baseia no fundamento sólido de amor entre os indivíduos”. Portanto, é importante que cada pessoa desafie a si mesma buscando razões não para acusar o próximo, mas procurando entender suas diferenças e harmonizando-as entre si. Assim, se pode ser parte integrante de um mundo onde haja mais paz e esperança.


Faça uma busca por palavras-chave

Copyright © ISMA-BR 2001
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial.
ISMA-BR - International Stress Management Association no Brasil
CNPJ: 03.915.909/0001-68
Rua Padre Chagas, 185 conj. 1104
Moinhos de Vento
90570-080 Porto Alegre, RS
+55 51 3222-2441
stress@ismabrasil.com.br